'Não educar foi o grande erro do País no século 20'

16 de dezembro de 2012
Livro narra como o Brasil negligenciou a Educação durante explosão populacional nos anos 60 e 70, comprometendo o crescimento

Fonte: O Estado de S. Paulo (SP)




A opção por não investir em educação no auge da explosão populacional, nos anos 60 e 70, é classificada como "o grande erro coletivo da nossa sociedade nos século 20" pelos economistas Fernando Holanda Barbosa Filho e Samuel Pessôa num dos capítulos do livro 'Desenvolvimento econômico: uma perspectiva brasileira'.

Os pesquisadores, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio, mostram que o investimento em educação era de 1,4% do PIB em 1950 e de 2,4% em 1980, comparado a pouco mais de 5% atualmente. Em outro capítulo, os economistas Pedro Cavalcanti Ferreira e Fernando Veloso, também da FGV, escrevem que, em 30 anos (de 1950 a 1980), a escolaridade média dos brasileiros cresceu menos que em um ano e meio.

Em 1950, a escolaridade média da população brasileira com 15 anos ou mais era de apenas um ano e meio. Em 1960, era de 2,1 anos, e permaneceu em torno de 2,8 anos entre 1970 e 1980. Segundo Ferreira e Veloso, entre todos os países da América Latina e do Caribe, somente o Haiti possuía indicadores de escolaridade piores que os brasileiros no período de 1950 a 1980.

Nos 30 anos após 1980, o crescimento da escolaridade foi muito mais acelerado, chegando a 7,5 anos em 2010. Mas o estrago estava feito. A população brasileira saltou de pouco mais de 50 milhões em 1950 para quase 120 milhões em 1980, criando uma imensa massa de adultos com pouquíssima educação.

Veloso nota que a lacuna educacional brasileira é vista normalmente como um imenso problema social, mas também é um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento econômico. E grande parte do efeito negativo no crescimento se dá pela perda de produtividade, ou eficiência, no setor de serviços, que representa quase 70% da economia.

Modelo equivocado. Ele observa ainda que os serviços tendem a ser negligenciados pela política econômica, muito mais preocupada com a indústria. "Em toda a discussão de desoneração, os incentivos vão quase todos para a indústria - agora, por exemplo, saiu a desoneração para a construção civil, mas ninguém fala dos serviços."

Em 1950, 63,1% da população ocupada no Brasil estava na agropecuária, 17,2% na indústria e 19,8% nos serviços. Em 1980, os serviços já respondiam por 39,4% dos empregos, a indústria por 23,4% e a agropecuária, por 37,2%. Em 2005, 61,8% da população ocupada já trabalhava em serviços, enquanto 19,5% estava na indústria e os trabalhadores na agropecuária haviam caído para 18,7%. Hoje, os serviços detêm quase 70% dos trabalhadores brasileiros.

Veloso explica que o setor de serviços brasileiro, além de ser muito grande, tem um predomínio de empresas muito pequenas e pouco produtivas e trabalhadores de baixa escolaridade. Uma parte considerável dessas empresas ainda é informal.

"Isso tudo tem a ver com o modelo de desenvolvimento que adotamos no passado. A gente investiu pouco em educação, e agora estamos pagando esse preço", diz o economista.

 

 

Profissionais exibem falhas na Educação
Quando viu um dia o saladeiro partir com uma faca de cozinha para cima do cozinheiro, o carioca Marcelo Botelho pensou que era tempo de reavaliar sua ideia de ser dono de um restaurante no centro do Rio.

"O problema é a educação, em todos os sentidos", diz Botelho, que fechou o restaurante Café do Mercado em 2008, depois de três frustrantes anos em que, além de lidar com todos os problemas burocráticos e tributários que assolam o pequeno empresário brasileiro, teve de se virar com a péssima qualidade média dos seus 22 funcionários.

Não eram só as brincadeiras estúpidas, como passar SuperBonder no cadeado do colega, mas também os furtos sistemáticos e a incapacidade de fazer contas e medir pesos corretamente, de vestir e manter em bom estado os uniformes e de cumprir rotinas diárias de limpeza das instalações ao fim do expediente.

Num episódio típico, o funcionário encarregado de supervisionar uma festa de fim de ano, para a qual o restaurante vendera um pacote fechado, cobrou os 10% de gorjeta mesmo sabendo que esta já estava incluída no contrato. O cliente naturalmente reclamou alguns dias depois, e Botelho teve de reembolsá-lo.

Botelho pagava salários um pouco acima do mercado, e exigia ensino médio completo dos garçons, e fundamental completo e frequência do médio de funções como ajudante de cozinha. "Mas não adiantava nada", ele lamenta, ressalvando que há exceções, como os dois ótimos funcionários que ainda hoje trabalham com ele em seus negócios imobiliários.

José Domingos Alves, supervisor geral das Lojas Cem, rede de varejo com 9.850 funcionários e 202 lojas nos Estados de São Paulo, Minas, Rio e Paraná, atesta que a disputa por mão de obra com níveis mínimos de qualificação está se acirrando: "Quantidade de gente tem, difícil de achar são pessoas com qualidade", comenta o executivo.

Uma função particularmente demandada é a de montador de móveis, e as Lojas Cem agora tentam abrir a contratação de aprendizes, "o que era impensável no passado". Segundo Alves, "hoje o investimento em treinamento é muito maior, porque você pega uma pessoa totalmente despreparada e tem de qualificá-la".

A paraibana Wilma Cilene Silva Paiva, de 27 anos, é um exemplo de mão de obra com pouca educação formal trabalhando no comércio. Com ensino fundamental incompleto, ela trabalha numa lanchonete no centro do Rio. Wilma gostaria de estudar mais, mas diz que o horário de trabalho não deixa.

Pedro de Lamare, presidente do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (SindRio), admite que "o serviço no Rio é deficiente, mas isso se explica porque o nosso é o maior setor em primeiro emprego, e também pela escola pública de péssima qualidade".

Ele ressalva que o ensino básico está melhorando no Rio, mas o processo é lento. O desafio, portanto, é aumentar o universo de mão de obra qualificada com treinamento. O SindRio está preparando um programa-piloto com a Central Única de Favelas (Cufa), para capacitar 6 mil pessoas por ano em comunidades faveladas, treinando-as em funções como pizzaiolo, crepeiro e salgadeiro.


Ver todas as notícias de Educação na Mídia



Temos que melhorar a educação, mas do jeito que está, não será fácil! O governo está apresentando muitas soluções mirabolantes: dinheiro do pré-sal, alfabetização na idade certa... mas, quando será que "o trabalhador do chão da fábrica", ou seja, o profissional da educação será ouvido para dar suas sugestões, já que é ele que lida dia após dia com os problemas educacionais?



Temos um grande trabalho pela frente, o Brasil precisa manter a competitividade e precisamos de pessoas Qualificadas para suportar a demanda do progresso. Mas infelizmente não temos tempo hábil para preparar essa nova geração que está chegando para atender a atual demanda. Precisamos começar agora para ter resultados daqui a alguns anos. E temos que ter metas ousadas. E esse esforço é de todos. Precisamos somar esforços, comunidades, empresas, ongs, Escolas, Governo, enfim, com o esforço de cada um e com a conscientização da população de que a educação é o único caminho para o crescimento.

Carregando


Seu comentário foi enviado com sucesso.




 

Leia os termos de uso antes de enviar sua mensagem.
Li e aceito os termos de uso.

 

Consulte nosso glossário

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
  • F
  • G
  • H
  • I
  • J
  • K
  • L
  • M
  • N
  • O
  • P
  • Q
  • R
  • S
  • T
  • U
  • V
  • W
  • X
  • Y
  • Z

Sua mensagem foi enviada com sucesso!
 
 
 

Não foi encontrado nenhum registro com os critérios informados.