#EducaçãoNaFrente: Israel Batista (PV-DF) quer Educação como prioridade nacional

POR Todos Pela Educação 06 Mai, 2019

Especiais

Deputado é secretário-geral da Frente Parlamentar Mista da Educação

No início de abril foi lançada a Frente Parlamentar Mista da Educação no Congresso Nacional. A associação suprapartidária de deputados federais e senadores (por isso ‘mista’) tem por objetivo pôr em pauta temas cruciais para mudar a qualidade da Educação brasileira. Diferente de Frentes de mandatos anteriores, a atual terá seu trabalho estruturado em 10 comissões focadas em temáticas importantes para a área. O deputado Israel Batista é um dos integrantes da Frente, com o cargo de Secretário-Geral. Ele é mais um dos entrevistados na série de entrevistas #EducaçãoNaFrente, do Todos Pela Educação, que conversou com os participantes da iniciativa.

 

+LEIA MAIS: FRENTE PARLAMENTAR MISTA DA EDUCAÇÃO É LANÇADA NO CONGRESSO

 

Todos: O que a Educação representou em sua trajetória?

Israel: Tenho coração de estudante! Isso me motiva a lutar pela poderosa via de superação que é a Educação. O impacto da escola e da universidade na minha vida foi profundo. Ao aprender outro idioma em uma escola pública de idiomas em Brasília e entrar para uma universidade federal, meus horizontes se ampliaram e eu fui protagonista de uma profunda transformação em minha família. Com meus irmãos mais novos, superei a violência da periferia de Brasília e rompi com o círculo vicioso da pobreza.

 

Na universidade, percebi que as necessidades dos estudantes de baixa renda eram ignoradas. A assistência estudantil não era prioridade de um sistema elitista de Ensino Superior público. Assumi o desafio da vida pública para que os jovens da periferia tenham igualdade de oportunidades em relação àqueles de famílias mais abastadas, seja na disputa pela entrada no Ensino Superior, seja na busca pelas melhores vagas do mercado de trabalho. Nosso mandato no Distrito Federal mostrou que a Educação é capaz de resgatar sonhos e transformar a realidade de comunidades inteiras, trabalhamos com programas de preparação para o vestibular, concursos e cursos profisisonalizantes; fizemos programa de intercâmcio internacional e de facilitação ao primeiro emprego.

 

+LEIA MAIS: CONSED E UNDIME DIZEM PORQUE A FRENTE PARLAMENTAR MISTA DA EDUCAÇÃO É IMPORTANTE

 

Todos: Qual a sua análise sobre a situação da Educação no Brasil?

Israel: Entendo que seja preciso corrigir a atual postura adotada pelos gestores do Ministério da Educação (MEC), que têm transformado um tema eminentemente técnico em campo de batalha ideológico. O MEC não deve ser pautado por polêmicas das redes sociais. Não devemos combater “moinhos de vento” como se fossem os verdadeiros monstros da Educação. Demonizar professores, como faz o Escola sem Partido, censurar questões da prova do ENEM e tratar questões secundárias como se fossem primordiais – caso do Homeschooling – não ajuda no enfrentamento dos nossos desafios.

 

Os problemas estruturais da Educação brasileira não permitem falta de foco dos gestores. Primeiro, devemos tratar a má formação dos professores, o desprestígio da profissão e a falta de atratividade do Magistério como carreira profissional. Apenas 2,4% dos estudantes brasileiros consideram a hipótese de serem educadores. Depois, precisamos enfrentar a falta de infraestrutura escolar, já que metade das nossas escolas não têm rede de esgoto e 16% não têm sequer um sanitário. Em terceiro, precisamos cuidar da pior consequência de todas essas mazelas: o déficit de aprendizagem. Nossas crianças vão à escola, mas não aprendem como deveriam. A cada 100 crianças, apenas metade sabe ler aos 8 ou 9 anos; apenas 33% dos alunos que concluem o Ensino Fundamental sabem português e dos que completam o Ensino Médio, só 7,3% sabem matemática.

 

Estes três problemas já seriam um desafio hercúleo para o País, mas ainda temos de enfrentar a violência escolar e a evasão de estudantes do Ensino Médio. Não há tempo nem recursos para gastarmos em debates vazios sem amparo estatístico.

 

 

Todos: Quais são as suas expectativas para os trabalhos da Frente Parlamentar Mista da Educação? Que benefícios ela pode trazer para a Educação?

Israel: A Frente é um alento para todos os que levam o debate da Educação a sério. Ela reúne os deputados e senadores mais engajados com o tema e atua com protagonismo ao lado da Comissão de Educação. Estou empolgado por ser o secretário-geral de um coletivo tão motivado. A minha expectativa é que os parlamentares envolvidos pressionem o MEC para que não se envolva em conflitos desnecessários e para que foque nas questões essenciais da sua atuação como o financiamento da Educação, a qualidade do ensino e a infraestrutura escolar.


 

Conheça os demais integrantes da coordenação da Frente:

 

Presidente: Deputada Dorinha Seabra (DEM-TO)

Vice-presidente de Educação Superior: Senador Izalci Lucas (PSDB-DF)

Vice-presidente da Educação Básica: Senador Jorginho Mello (PR-SC)

Secretário-geral: Deputado Israel Batista (PV-DF)

Tesoureiro: Tiago Mitraud (Novo-MG)

Coordenação de arranjos federativos de Educação: Deputada Luísa Canziani (PTB-PR)

Coordenação de sistema nacional de Educação: Deputado Raul Henry (MDB-PE)

Coordenação de financiamento da Educação: Deputado Danilo Cabral (PSB-PE)

Coordenação de formação e valorização dos profissionais da Educação: Deputados João Henrique Caldas (PSB-AL)

Coordenação de Primeira Infância e Educação Infantil: Deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF)

Coordenação de Alfabetização e Ensino Fundamental: Deputado Luizão Goulart (PRB-PR)

Coordenação de Ensino Médio: Deputado Idilvan Alencar (PDT-CE)

Coordenação de Ensino Técnico e Profissional: Deputada Tábata Amaral (PDT-SP)

 



SHARE