• <

Estudos comprovam: investir em Educação é investir no País

POR Pricilla Kesley, do Todos Pela Educação 21 Set, 2018

Especiais


Educação Já

O pesquisador da Universidade de Stanford Eric Hanushek vem ao Brasil para falar da importância da Educação para a retomada de crescimento do País

 

Com décadas de pesquisa na área de políticas públicas educacionais, Eric Alan Hanushek, membro sênior do Instituto Hoover da Universidade Stanford, dos Estados Unidos é uma autoridade quando o assunto é análises econômicas relacionadas à Educação, um campo que tem sido chamado de Economia da Educação.

 

O trabalho do especialista tem sido marcado por críticas ao aumento indiscriminado de investimento em Educação sem, em contrapartida, haver mensuração de resultados, o que em seus artigos ele classifica como ações não efetivas, que favorecem o desperdício de recursos. Apesar da grande atenção dada a esse tópico, muitos outros assuntos educacionais estão na pauta do economista: políticas públicas de responsabilidade educacional (como a No Child Left Behind - “Nenhuma criança será deixada para trás”, em tradução livre, aplicada nos EUA) e financiamento; tamanho das salas de aula, e também o impacto de uma atuação docente de qualidade no desempenho dos estudantes.

 

O pesquisador estará no Brasil na próxima semana para participar do Educação 360, evento organizado pelos jornais O Globo e Extra, que acontece nos Museus do Amanhã e da Arte Moderna, no Rio de Janeiro. Para ajudar você a entender o que Hanushek tem a dizer, listamos aqui alguns destaques dos pensamentos dele sobre Educação e economia,  relação fundamental para o desenvolvimento de qualquer país.

 

Economia

Nas palavras de Hanushek: “é consenso entre os economistas que o investimento em capital humano ao longo do último século foi um dos principais fatores para o crescimento econômico dos Estados Unidos. Um importante elemento do capital humano de uma nação é a qualidade de suas escolas, medida pelo desempenho dos alunos em matemática e ciências”, conforme ele defendeu em seu artigo Schooling, labor force quality, and the growth of nations (Escolaridade, qualidade da força de trabalho e o crescimento das nações, em tradução livre), no American Economic Review Journal , em 2000.

 

Esse é um dos principais argumentos da obra do economista como um todo. No livro Endangering Prosperity: A Global View of the American School (“Colocando em risco a prosperidade: uma visão global da escola americana”, em tradução livre), de 2013, o pesquisador analisa os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) e demonstra que os estudantes norte-americanos estão ficando para trás nos indicadores de aprendizagem em comparação aos países desenvolvidos da Europa. Para ele, isso resulta em perdas individuais e coletivas, gerando um custo de trilhões ao governo norte-americano, o que ameaça a prosperidade dos EUA.

 

Seguindo essa mesma linha, para Hanushek, os países latino-americanos foram ultrapassados economicamente pelos países do leste asiático devido à ênfase dada por estes últimos à Educação de qualidade. Em sua obra mais recente, The Knowledge Capital of Nations: Education and Economics of Growth, de 2015, o economista traz cálculos que indicam que quanto melhor o desempenho em Educação, maior o crescimento econômico de um país: o aumento de 100 pontos no resultado médio do Pisa (o Brasil teria de saltar 30 posições no ranking do exame para tingir isso!) está associado a dois pontos percentuais de crescimento no Produto Interno Bruto (PIB) per capita. É preciso reforçar que, segundo Hanushek, avançar nos resultados de aprendizagem não requer necessariamente mais investimentos mas, sim, uma melhor gestão do dinheiro disponível.  

 

+O EXAME Fórum debateu a relação entre Educação e Economia

 

Professores

Em suas pesquisas, Hanushek também tem tentado demonstrar como as políticas educacionais devem atrair e oferecer incentivos aos professores que são capazes de fazer a diferença no desempenho dos estudantes. Para ele, ao valorizar os docentes com as melhores performances, a Educação como um todo ganha. Para que isso ocorra, ele defende incentivos financeiros aos bons professores, avaliação das habilidade cognitivas dos alunos, monitoramento da eficiência docente e o cruzamento de todos esses dados para gerar análises confiáveis. Essa centralidade dada aos bons professores é um dos meios apontados pelo economista para tornar o financiamento da Educação mais eficiente.

 

Responsabilidade

Hanushek é um dos pesquisadores do grupo Koret Task Force, do Instituto Hoover, cujas ideias inspiraram a política educacional No Child Left Behind (NCLB), que perdurou entre 2002 e 2015 nos Estados Unidos, nas gestões do ex-presidente George W. Bush e no primeiro mandato do ex-presidente Barack Obama.

 

A medida tinha como base o princípio que, em inglês, chama-se accountability, que pode ser traduzido como “o dever das gestões ou órgãos públicos serem responsáveis por resultados e prestarem contas com transparência”. De acordo com o NCBL, estabelecido em lei, as escolas públicas dos EUA tinham de cumprir algumas metas anuais de melhoria na aprendizagem dos estudantes, a ser verificada por avaliações de leitura e matemática; as unidades que não apresentavam avanços tinham de aplicar um plano de aperfeiçoamento a fim de superar os maus resultados. De acordo com o desempenho nesses testes, as escolas norte-americanas recebiam mais ou menos financiamento do governo federal.

 

Hanushek, assim como o grupo K-12, defende tais políticas de compromisso, responsabilidade e transparência nas escolas. Segundo o pesquisador, os estados norte-americanos que adotam tais medidas têm conseguido crescimento no desempenho dos estudantes. Em 2015, a política do NCLB foi substituída por outra, a Every Student Succeeds (Essa), que dá maior poder aos estados para estabelecerem padrões de aprendizagem e planos de avanço, uma resposta às críticas ao centralismo excessivo do NCLB. Assim, a responsabilidade para com o desempenho dos estudantes está agora a cargo dos estados.

 

Direção escolar

Além dos professores, Hanushek destaca a importância dos diretores escolares para a melhoria da qualidade da Educação. Segundo as pesquisas do economista, quando fazem uma gestão eficiente, esses profissionais se tornam líderes capazes de promover melhorias nos resultados de desempenho dos estudantes. De acordo com estudos liderado por Hanushek, os diretores também têm um papel essencial na atração e manutenção de professores de alta performance nas escolas, especialmente em unidades localizadas nas regiões mais vulneráveis.



SHARE