• <

“O combate ao racismo é uma luta de todos”, diz José Vicente

POR Lázaro Campos Júnior, do Todos Pela Educação 22 Nov, 2018

Especiais


Institucional

Em entrevista, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares fala sobre como levar a Consciência Negra para além do dia 20 de Novembro

 

Embora a população negra seja maioria no Brasil, ela possui menos anos de estudos em comparação aos brancos, de acordo com o Anuário da Educação Básica 2018. Além disso, os negros e negras também chegam em menor proporção ao fim da trajetória escolar com a idade adequada. 

 

Para o doutor em Educação e reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares José Vicente, entender que o racismo existe no Brasil não é suficiente. É preciso agir: debater o assunto e apostar em ações práticas que revertam a histórica desigualdade racial brasileira em justiça. Esse objetivo, segundo ele, não pode nem deve ser uma pauta apenas dos negros. “Passar o racismo a limpo”, como defende o educador, requer que as ações afirmativas sejam mais do que apenas as cotas étnico-raciais nas universidades públicas.

 

Abaixo, confira a entrevista completa.   

 

Todos: O acesso a uma Educação de qualidade ainda é muito desigual no Brasil. Enquanto brancos estudam em média 12,1 anos, pretos e pardos estudam 10,8.  Como isso se relaciona ao racismo? Podemos falar em racismo institucional e estrutural na Educação Básica?

 

José Vicente: O racismo institucional [normas, práticas e discriminações diversas em instituições] se desenvolve em olhares e atitudes de não reconhecimento. Nesse sentido, as relações sociais brasileiras sempre foram contaminadas pela escravidão, diante da concepção de que há cidadãos de primeira e segunda classe. Devido a essa perspectiva, que trata um como superior ao outro, ainda não alcançamos uma Educação igualitária.

 

Esse olhar de hierarquização produz uma distorção sobre o racismo. Se não houver reconhecimento de que há racismo, de que suas nuances produzem desigualdades e, por conta disso, não for produzido nenhum mecanismo para intervir nesse quadro, não será possível ter a igualdade de oportunidades pretendida em nenhuma área.

 

A desigualdade educacional está dentro dessa lógica e é produto de um contexto de racismo também estrutural [isto é, faz  parte da própria estruturação social]. Melhoramos a escolaridade no geral, mas não combatemos a diferença entre brancos e negros porque não debatemos a razão dessa desigualdade existir. Para mudar esse quadro, precisamos combater o racismo e construir possibilidades que garantam igualdade de oportunidades.

 

Por que, mesmo diante de acesso e trajetórias desiguais entre negros e brancos na Educação Básica, ainda existe resistência às cotas na Educação Superior?

 

Porque nunca nos interessamos em pensar o histórico da desigualdade de oportunidades no Brasil. O senso de justiça e de igualdade que permeia nossos fundamentos constitucionais são mais conceitos jurídicos bonitos do que entendimentos construídos em cima da história do nosso País. Importamos o linguajar do primeiro mundo, de que “a igualdade se faz por meio de Estado Democrático de Direito e de que todos são iguais perante a lei”, mas não podemos colocá-lo em prática, pois é impossível cumprir isso sem fazer os ajustes de contas com a história.

 

Reconhecer essa realidade se traduz em criar e implementar políticas públicas específicas para parte da população; no entanto, a atitude de muitos é dizer “deixa como está e vamos ver como é que fica”. Em grande medida, repetimos apenas de forma simbólica e abstrata os dois artigos da Lei Áurea - “está abolida a escravidão a partir desta data e se revoga a disposições em contrário" -, sem que, contudo, alcancemos o ideário de justiça e pluralidade da Constituição.

 

Qual é a sua avaliação da aplicação das cotas até o momento no Brasil?

 

É algo novo no cenário brasileiro e tem uma funcionalidade. Apesar disso, é muito pouco diante da demanda. Não se resolve a desigualdade com cotas de 20% quando a sociedade é composta por mais de 50% de negros.

 

Outro aspecto a ser levado em conta é que as cotas são ações pontuais e impulsionadoras para responder às desigualdades. Ao pararmos nas cotas, não fomos capazes de resolver o drama do “apartheid racial” brasileiro. Diante do desafio que temos, as cotas são e foram uma medida mínima que parou na sua minimidade. Mas o ponto positivo desse tipo de ação foi ter levado a discussão além da ideia de democracia racial.

 

Ter cotas do Ensino Superior das universidades ao Exército são medidas de otimismo; são uma ponte para a mudança. Mas sem ir além das cotas perderemos a oportunidade histórica de construir, no presente, um futuro melhor.

 

O que podemos fazer para que a pauta da Consciência Negra não fique apenas no dia 20 de Novembro?

 

Precisamos de duas compreensões. Primeiro, entender que o combate à discriminação racial não foi, não é e jamais será uma responsabilidade apenas dos negros. É uma luta de todo cidadão e todas as instituições. Porque o racismo produz malefícios e danos para toda nação.

 

Segundo, devemos ter disposição e determinação de passar o racismo a limpo. O assunto tem de ser conhecido, debatido e combatido. Apenas com o conhecimento das consequências do racismo poderemos construir uma sociedade livre. É assim que cumpriremos o objetivo constitucional de uma pátria livre, justa, plural e diversa, em que a dignidade da pessoa seja respeitada pelo Estado e por todos os brasileiros.

 

Sem isso, continuaremos na utopia de que é possível caminhar sozinho quando a vida exige que estejamos sempre juntos. Sem isso, continuaremos em uma sociedade imperfeita que não produzirá justiça, pacificidade e coesão social.

 

+++NÚMEROS QUE CONTAM HISTÓRIAS: CULTURA AFRO-BRASILEIRA NA MATEMÁTICA



SHARE