x

3 desafios e 3 dicas para os professores iniciantes

17 de maio de 2018
Como os professores lidam com as dificuldades que só descobrem quando entram pela primeira vez na sala de aula

Fonte: Todos Pela Educação

3 desafios e 3 dicas para os professores iniciantes




“Eu gostaria de ter ouvido histórias que hoje tenho para contar. Meus professores falavam apenas da teoria e não tinham experiência com a escola pública. Acho que tive pouca informação sobre essa realidade”. A fala do professor de matemática Alexandre Henrique Campos, de Uberlândia (MG), sintetiza a sensação de muitos docentes em início da carreira no ensino público brasileiro. Tal angústia aparece porque, infelizmente, a formação do professor não dialoga com o cotidiano da sala de aula. E as dificuldades, quando começam a aparecer, são muitas.

 

O Todos ouviu professores de diversos lugares do Brasil para saber quais os maiores desafios que eles enfrentaram em seus primeiros anos na docência. Abaixo, listamos três deles.


 

1. Violência

Durante sua formação, a professora de português Isabel Lisboa lecionou no ensino público por meio do estágio no programa do governo cearense Mais Alfabetização. Mas é agora, nos três primeiros anos da carreira, que ela precisa lidar com situações de violência que dificultam seu trabalho. “É um cenário muito presente na escola e os profissionais da Educação não são preparados para isso”, conta. Ela atua em três escolas públicas de Fortaleza.  

 

A situação não é diferente para o professor Alexandre. Em quatro meses na Escola Municipal Afrânio Rodrigues da Cunha, em Uberlândia, ele diz já ter recolhido, dentro da escola, uma réplica de arma e cigarros, além de ter separado briga de alunos durante a aula. “Eu não devia encostar no aluno, mas tive que agir. Além de tentar dar aula, eu preciso controlar os alunos e resolver muitos conflitos”, conta.

 

2. Defasagem

Este ano, quando chegou à escola para lecionar aos alunos do Ensino Fundamental II, Alexandre encontrou classes de 8º ano que não tiveram professor fixo de matemática durante todo o ano 2017. Isso significa que eles não tinham o aprendizado adequado ao ano e que, portanto, ele não poderia lecionar os conteúdos previstos sem, antes, resgatar matérias anteriores. “Em vez de reclamar que eles não têm base, eu estou tentando resolver o problema”, explica o professor.

 

3. Motivação

Já no cotidiano da Escola Estadual Edgar Guedes, em Pedra de Fogo (PB), o professor de filosofia Lenilson Silva enfrentou a falta de motivação dos outros docentes, que ocorre por inúmeros fatores - questões que vão do cotidiano escolar à falta de uma carreira estruturada e valorizada, por exemplo. “Há um problema de valorização do salário docente e acho que isso desmotiva alguns professores”, afirma.

 

Ele conta que se motiva sempre que pensa na importância da Educação para vida dos seus alunos. “O que faço é me especializar na profissão e realizar projetos dentro da escola que incentivem os alunos”, explica. As iniciativas dele nesse sentido vão desde a publicação de livros com antologia de textos dos estudantes à atividades que trazem pais e avós para contação de lendas familiares, por exemplo.

 

Por terem passado por essas dificuldades, os professores ouvidos pelo Todos destacam três dicas que eles consideram importantes para qualquer docente em seus primeiros anos da carreira.

 

1 - Mostre aos alunos que eles importam

Parece óbvio, mas criar um relacionamento saudável com os alunos é fundamental. O professor Lenilson explica que faz questão de ter atitudes simples no dia a dia, como cumprimentar seus estudantes. “Todo início de aula eu vou de carteira em carteira perguntar como eles estão. Fora de sala, sempre converso com eles sobre o que eles precisarem.”

 

Em Uberlândia, Alexandre conquistou o bom relacionamento com uma classe de 8º ano ao ter que ensinar o conteúdo de anos anteriores. “Não culpei a turma, mas deixei claro que me preocupava com o aprendizado deles. Depois disso, eles mudaram o comportamento e agora se dedicam aos estudos”.

 

Importar-se com os sonhos dos alunos também é importante. Em outra turma, Alexandre parou duas aulas para perguntar a cada estudante qual o projeto de vida. “Com 13 anos, muitos não sabiam o que era faculdade. Expliquei a cada um o caminho para chegar onde queriam. Foi um jeito de evitar que pensassem que só falava que é importante estudar sem explicar o porquê. Senti que valeu a pena mostrar minha preocupação”.    

 

2 - Saiba equilibrar atividades lúdicas e conteúdo

 

Alexandre conta que nem sempre é possível aplicar todos os métodos de ensino aprendidos na graduação. Um dos projetos que ele desenvolve desde a faculdade é a montagem de cubos mágicos com alunos do 6º ano. Mas ele diz ser necessário saber equilibrar essas atividades com o conteúdo obrigatório. “É ótimo trazer uma atividade lúdica, com intenção pedagógica”, explica.

 

3 - Converse com os mais experientes

Alguns aspectos do trabalho de professor só são dominados com o tempo. Os conselhos de professores mais experientes podem prevenir erros. Para Alexandre, a maioria das orientações se provaram verdadeiras. “Já fui avisado das atividades que dão certo e aquelas que dão errado. Já mudei de atividade porque aquilo que, na minha cabeça dá certo, eles avisam que não funciona”, conta.


Para saber o que os professores experientes têm a dizer aos mais novos, clique aqui.


Ver todas as notícias


Carregando

Ainda não há comentários.

Seja o primeiro a comentar.




Seu comentário foi enviado com sucesso.




 

Leia os termos de uso antes de enviar sua mensagem.
Li e aceito os termos de uso.

 

Consulte nosso glossário

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
  • F
  • G
  • H
  • I
  • J
  • K
  • L
  • M
  • N
  • O
  • P
  • Q
  • R
  • S
  • T
  • U
  • V
  • W
  • X
  • Y
  • Z

Sua mensagem foi enviada com sucesso!
 
 
 

Não foi encontrado nenhum registro com os critérios informados.