x

Luciene Tognetta fala sobre bullying e conflito escolar

27 de junho de 2017
Doutora em Psicologia Escolar aponta o papel das escolas e dos pais em casos de crianças e adolescentes que intimidam sistematicamente outras crianças

Fonte: Todos Pela Educação

Luciene Tognetta fala sobre bullying e conflito escolar
Blake Campbell/FreeImages




Conversamos com a pesquisadora da Universidade Estadual Paulista (Unesp) Luciene Tognetta, pedagoga, mestre em Educação e doutora em Psicologia Escolar, sobre como proceder nos casos em que os pais recebem um aviso da escola sobre o filho estar envolvido em casos de agressões a outros estudantes. Embora o assunto seja complicado e delicado, a especialista aponta que um processo cuidadoso e amparado em uma formação específica sobre o assunto pode ajudar tanto as vítimas provocadoras (agressores) quanto as vítimas do bullying.

TPE: Quando um pai recebe a notificação da escola que o filho persegue alguém pela cor da pele ou pela orientação sexual, o que fazer?
Se os pais recebem um recado da escola de que o filho tem assediado ou diminuído alguém, claro que ele vai se sentir bastante incomodado. A primeira coisa a se fazer é ajudar o filho a reconhecer o quanto ele está errado. E reconhecer isso não significa dar uma lição de moral, mas dar a ele a possibilidade de ver o quanto o outro é parecido com ele em outros aspectos que não aquele que ele distinguiu via preconceito. A família precisa ir à escola, precisa que esse menino seja convidado a pedir desculpas àquele que ele ofendeu. Porém, esse não é processo tão fácil assim e aí entra a escola.

TPE: E o que as escolas podem fazer?
Há toda uma sequência de ações, um método muito específico para garantir a intimidade dos alunos, para ajudá-los a tomar consciência de suas próprias dificuldades. Já temos descrito na literatura sobre o assunto, frases, palavras, diálogos que vão fazer com que esses meninos tomem consciência dos problemas que eles têm.

Por exemplo, uma maneira de se autoavaliar: “Tenho conseguido perceber o que os meus colegas sentem quando os ofendo?”. A partir disso, ele vai ter de avaliar se ele tem conseguido ou não, observar as provas do que ele tem conseguido ou não e pensar junto com o professor como é que ele vai fazer para chegar lá. Isso significa que o pai não vai levar o filho dele diretamente para pedir desculpas para quem ele ofendeu, pois a escola deve propor todo um trabalho para que a vítima também seja fortalecida para enfrentar o agressor dela. Ou seja, com bullying ou outros conflitos escolares, a instituição escolar precisa dominar as metodologias que serão utilizadas, mas as escolas infelizmente não sabem o que fazer: nem com o pai do agressor, nem com o pai da vítima.


TPE: Muitos pais ainda veem a prática do bullying como “briga entre crianças”. Isso acaba sendo um fator que possibilita a disseminação do ato entre as crianças e jovens?
Os pais não sabem mesmo o que significam essas “brincadeiras”. Eles desconhecem, até porque eles têm uma falsa ideia de que se eles passaram por isso e conseguiram “vencer”, por assim dizer, os filhos também devem passar.

Os professores são outros atores nesta história que também nunca tiveram formação nesta temática de convivência e voltamos, portanto, ao complemento da primeira questão. Não existem políticas públicas no Brasil que insiram esse tipo de capacitação nos planejamentos das licenciaturas ou nas formações continuadas de professores. Logo, o que eles utilizam para educar, para poder resolver os conflitos entre pares é o jeito que os pais deles ensinaram e essas formas não são adequadas em situações de bullying.

O bullying tem várias características que precisam ser entendidas pelos professores (daí a necessidade de formação), uma delas é a paridade das relações. O bullying não é um problema entre professores e alunos, não é um problema entre pais e filhos; só existe bullying entre aluno e aluno, professor e professor, filho e filho (ainda que a idade seja diversificada). Esse tipo de violência exige uma reflexão além da instrumentalização dos professores, isto é, eles precisam entender porque que fazem determinada atividade. Os docentes têm de saber o que fazer para resolver os problemas de convivência na escola, tal qual devem saber o que fazer com o ensino da matemática ou da ciência, e isso só será possível pela formação que vem da universidade, que trazem insumos científicos sobre como proceder nestes casos.


TPE: Há a possibilidade da criança ou jovem estar repetindo um comportamento intolerante que existe em casa (por exemplo, preconceito racial dos pais)? Se esse for o caso, o que a escola pode fazer?
Sim, os pais nem sempre discordam da atitude dos filhos e eles podem realmente achar que o filho dele faz é “brincadeira”. Ele também pode, por exemplo, não concordar com a homossexualidade, questões de gênero, problemas raciais, e outras questões que envolvem valores pessoais. Moral da história: os pais compartilham dos mesmos valores do filho. Nesse caso, a escola vai ter que manter uma postura de assegurar o respeito à diversidade: “Pai, o senhor pode não concordar que uma pessoa seja diferente da outra, por exemplo, não concordar com um relacionamento homossexual, mas com relação ao espaço escolar, o senhor vai ter de respeitar, pois a escola trabalha com essas questões, esses valores. 


TPE: Esses agressores podem já ter sido vítimas da intimidação sistemática em outras ocasiões e por conta disso tentam “se vingar” praticando isso com outras pessoas?
O agressor pode sim ter sido vítima. Pode acontecer dele ter sido intimidado, agredido, menosprezado e que ele tenha conseguido superar essa situação apenas se utilizando da mesma violência com que isso aconteceu com ele. Por isso, essas crianças e jovens também precisam de ajuda. Eles precisam reconhecer que existem outras formas de superar uma condição de intimidação que não seja fazendo a mesma coisa – uma espécie de superação que a gente chama de justiça retributiva, que é o “toma lá, dá cá”. O que você está chamando de agressor que também provoca, na literatura nós chamamos de “a vítima provocadora”, ou seja, ela se utiliza dos mesmos instrumentos que a fazem ser vítima. Por exemplo, um menino chora muito e todo mundo passa a chama-lo de bebê chorão, como é que ele resolve esse problema? Chorando. Então é como se ele validasse, potencializasse a própria agressão que sofre. Isso é o que chamamos de vítima provocadora. Na maioria das vezes, as vítimas de bullying, quando reagem, reagem com agressão, pois lhes faltam as possiblidades de outros instrumentos mais assertivos.


Ver todas as notícias



EXCELENTE ARTIGO, REFLEXÕES ASSERTIVAS E ALICERÇADAS NO DIA A DIA. PARABENS

Carregando


Seu comentário foi enviado com sucesso.




 

Leia os termos de uso antes de enviar sua mensagem.
Li e aceito os termos de uso.

 

Consulte nosso glossário

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
  • F
  • G
  • H
  • I
  • J
  • K
  • L
  • M
  • N
  • O
  • P
  • Q
  • R
  • S
  • T
  • U
  • V
  • W
  • X
  • Y
  • Z

Sua mensagem foi enviada com sucesso!
 
 
 

Não foi encontrado nenhum registro com os critérios informados.